quinta-feira, 12 de junho de 2008

ASPECTOS “NEGATIVOS” DA INTERNET


Como é comum as inovações tecnológicas causam receio na sociedade sobre as conseqüências do seu uso, as pessoas tendem a se afastar do desconhecido. A Internet não fugiu a este padrão, haja vista que a internet teve sua expansão exponencial durante a década de 90, ou seja, algo bem recente se comparado as transformações nas formas de sociabilidade que trouxe no seu bojo, como o conceito de longe e perto, fluidez das fronteiras, etc. As especulações dos possíveis danos ocasionados pela internet fizeram com a “União Européia criasse uma comissão de especialistas, cuja principal tarefa era a de ver como poderiam atenuar os efeitos devastadores que a Internet poderia produzir na sociedade, na política e na cultura” (Castells, 2000/2003, apud Nacolaci-da-Costa).

Na atualidade os fatos apontados como aspectos negativos da Internet têm gerado um grande debate, neste trecho do trabalho traremos alguns dos pontos que mais aparecem na mídia e que apontam os jovens como os mais vulneráveis, levando em consideração o fato de disporem de mais tempo livre para permanecerem conectados. Os aspectos selecionados são os seguintes:

· “Internetês” ou linguagem internáutica como denomina Garbin – Escrita utilizada na internet a fim de torná-la mais ágil, expressar emoções, emendar a fala; Exemplo: “Td de bom p vc. Xau.” (Tudo de bom para você. Tchau.). O uso dessa linguagem tem causado um verdadeiro frisson principalmente entre os gramáticos, teme-se que ela “invada” as salas de aulas, que devido o uso freqüente desta linguagem os jovens tenham maior dificuldade na hora de redigir textos em outros espaços.

No entanto há aqueles que afirmam que da mesma forma que a fala é flexível, usamos a linguagem coloquial e a formal dependendo do espaço na qual estamos inseridos, a escrita também é. Como afirmou o Professor de Literatura Brasileira do Instituto de Letras da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Luís Augusto Fischer, numa entrevista veiculada pelo site da Universidade, “Na fala, podemos usar mais de um código. Então na escrita também.” e ainda ressalta “O compromisso da escola é mostrar o Português culto na sua maior extensão possível.”. Sendo assim podemos afirmar que o “internetês” não veio para substituir a escrita formal, mas trata-se se uma escrita particular usada num determinado espaço.

· Isolamento Social – Há um debate que os indivíduos tem trocado os relacionamento “reais” pelos “virtuais”, que tem dedicado muito tempo a internet e isto tem reduzido o contato “olho no olho”. “Com o surgimento da Internet o problema dos “tímidos”, essas pessoas que tem dificuldade de interação, foi solucionado substituindo o mundo real pelo virtual, virando uma febre mundial” (BRONAUT e POMBEIRO). Mas como aponta Nicolaci-da-Costa (2002), de acordo com a pesquisa que ela realizou, “contrariamente ao que é divulgado a respeito do isolamento social, eles usam a Rede principalmente para bater papo, não com quaisquer desconhecidos, mas com pessoas com as quais podem criar vínculos on-line e com seus amigos da vida "real"”. Nicolaci-da-Costa também defende que os relacionamentos virtuais cada vez estão mais próximos dos reais. Desta forma os relacionamentos virtuais são complementares aos reais.

· Vício – Assim como as substâncias tóxicas o uso compulsivo da Internet, também reduz a liberdade e altera o comportamento social das pessoas. “Já na década de 90 Kimberly Young (1996, 1998) e David Greenfield (1999, 2000) psicólogos norte-americanos começaram a divulgar a existência de um novo comportamento compulsivo relacionados a rede” (Nicolaci-da-Costa, 2002). E desde então muitos estudos sobre esta suposta patologia são amplamente divulgados pela mídia, no entanto estas informações se baseiam em pesquisas não concluídas, advindas majoritariamente dos EUA. O fato de uma pessoa dedicar muito tempo a leitura de livros, a programas de televisão, não a caracteriza como viciada, talvez essa percepção seja fruto do receio do “novo” como já foi dito anteriormente.

· Danos a saúde – Muitos médicos têm alertado sobre os danos ocasionados pelo tempo excessivo à frente computador, dentre eles destacam-se: os danos a coluna (devido a má postura); LER – Lesão por esforço repetitivo (devido a digitação por períodos prolongados); Fadiga ocular (pois piscamos menos a frente do computador, consequentemente os olhos ficam menos lubrificados e mais vulneráveis a infecções. Para driblar esses danos vale manter a postura correta, e alternar 10 minutos de descanso para cada 50 em frentes ao computador, afim de descansar a vista .

Após a reflexão dos aspectos apontados percebemos que os aspectos tidos como negativos estão ligados ao uso que fazemos da internet e não a ela em si. Cabe aos indivíduos aproveitarem dos benefícios proporcionados por esta nova tecnologia sem serem subjugados a ela, fazendo referência a um ditado popular afirmamos que a internet veio para servir ao homem e não o contrário.

5 comentários:

lailinha disse...

Olá pessoal, gostei muito do texto pois ele abrange uma problemática que muito incomoda a todos nós. Sou jovem também e uso o chamado "internetês" mas na minha concepção tudo tem limite e devemos saber separar cada momento.

Abraço,


Laila Tainan- Salvador - Bahia.

Luh disse...

Oi pessoal, tbm gostei bastante do texto, poq além de td me ajudou a fazer um trabalho!
Hehehe'
Bjs e abraços! (:

Amo A educação infantil disse...

Oi pessoal, adorei a abordagem do texto, ele alerta bem os jovens sobre o lado negativo da internet.


Abraços!

Luiza disse...

Oii, tenho 14 anos e parabenizo pelo site, adorei !

Mauricio Fernandes Simões disse...

Olá internautas passei aqui para lembrarmos de algumas vantagens que a internet nos trás. Sou estudante da UFRN de Caicó RN, e tenho o grande prazer de ter uma disciplina que trata do assunto que é Informática e Realidade. Dentre outras coisas a internet nos proporciona: o acesso rápido a informação, às vezes em tempo real; uma fonte inesgotável de informações de maneira rápida e fácil-merecendo as vezes muito cuidado na sua fonte, para que alunos possam realizar suas pesquisas no seu aprendizado; facilitando o conhecimento de outras pessoas e culturas através dos sites de relacionamentos; marketing, compra e venda de produtos, através de um imenso mercado virtual; pagamento de dívidas sem sair de casa; uma fonte de lazer e entretenimento para todas as idades além de outras coisas, mas requerendo um certo cuidado como diz o texto anterior.